Translate

quarta-feira, 1 de outubro de 2008

Auto-Estima

O Que é?


Auto-estima é o sentimento que a pessoa tem por si mesma; é desenvolvido durante toda a nossa vida. Reconhecemos nossos sentimentos por reações corporais que ocorrem na nossa interação com as pessoas e o ambiente. Aprendemos a nomear nossos sentimentos de acordo com a cultura em que estamos inseridos, ou seja, é por meio das relações sociais que aprendemos a nomear os sentimentos.


Sentimento não é Causa:


Sentimentos não são causas das nossas ações. O sentimento não surge de maneira espontânea ou arbitrária, são os acontecimentos anteriores que produzem os sentimentos e os comportamentos. Para entender as ações e os sentimentos é necessário rever o que aconteceu anteriormente. Ex.: uma pessoa que fala o tempo todo da namorada porque sente saudade dela. Fato anterior ou evento crítico: a namorada fez uma viagem longa. Comportamento: falar sobre a namorada e lhe escrever e-mails ou mensagens saudosas. Reações corporais: ao mesmo tempo que fala sobre ela seu coração bate mais rápido e seus pensamentos a imaginam. A saudade é toda a interação descrita: fato anterior, comportamento e reações corporais.


Desenvolvimento:


Os sentimentos não nascem com a pessoa. Como um prédio em construção eles vão se formando no decorrer do nosso desenvolvimento. Quando somos crianças o que ocorre conosco e ao nosso redor (no ambiente) produz comportamentos e sentimentos. A auto-estima é o resultado dos elogios, das criticas e das punições recebidas. Os elogios aumentam a auto-estima, as punições diminuem a auto-estima e as críticas tanto podem ser orientações que estimulem a auto-estima elevada quanto regras que aprisionem o seu desenvolvimento.

Dica: Para elevar a auto-estima é importante enfatizar o “VOCÊ” na frase que explícita um elogio. Por ex.: VOCÊ me deixou muito feliz com o seu trabalho ou VOCÊ fez um excelente trabalho. Dando destaque a pessoa e não ao comportamento.

O reconhecimento do outro não desenvolve dependência na pessoa que foi elogiada. A criança sentindo-se amada pelo outro, aprende a amar a si mesma e aprende que é bom ser amada pelo outro, se tornando um adulto com auto-estima elevada.

Como em um edifício que é construído com materiais de boa qualidade o produto final é um imóvel de alto padrão, assim é o ser humano, quando cresce recebendo elogios por seus atos adequados, recebe atenção, apoio e incentivos, o produto final é uma elevada auto-estima. A pessoa com elevada auto-estima sabe o que é capaz de fazer, é segura de si e independente do outro para produzir o que é bom para si mesma.

Quando o edifício é construído com materiais de baixa qualidade tem como produto final um imóvel de menor valor, o mesmo ocorre com o ser humano: quando a criança é criticada, tem pais muito exigentes e que não a orientam adequadamente, tem como conseqüência uma auto-estima rebaixada, então a pessoa se sente inadequada, insegura, com dúvidas, com um sentimento de não ser capaz e desisti facilmente daquilo que começa. A baixa auto-estima também afeta a produtividade no trabalho. Quem está insatisfeito consigo mesmo e com aquilo que executa não se envolve com seus afazeres profissionais.


Como se mantém a auto-estima?


A auto-estima é mantida e desenvolvida pela própria pessoa à medida que ela aprende a fazer uso do auto-reconhecimento e a observar seus comportamentos e as conseqüências que ele produz. Assim comportamentos que produzem conseqüências positivas podem ser mantidos e aqueles que produzem conseqüências negativas podem ser modificados. A auto-estima está associada à possibilidade da pessoa sentir-se livre, sentir-se amada, de tomar iniciativas e de ser criativa. Essa possibilidade é oportunizada e mantida quando a pessoa reconhece seus próprios comportamentos como, por exemplo: “Planejei com cuidado todos os detalhes da festa. Foi um sucesso. Fui um sucesso!”.

A auto-estima influencia tudo o que fazemos, pois é o resultado do que acreditamos ser, por isso o auto-conhecimento é de fundamental importância para desenvolver, manter e elevar a auto-estima. Quanto mais nos conhecemos maior é a probabilidade de termos elevada a nossa auto-estima, ou seja: confiar em si mesmo; respeitar e conhecer nossos limites, características e potencialidades; reconhecer nossos valores e nossa competência; observar nossa capacidade de atuar independente da aprovação dos outros faz com que a nossa auto-estima se eleve.

Um comentário:

Maurício Novelli disse...

Muito bem claro o artigo da Inês com relação à auto-estima. Gostaria de comentar somente o fato do pais atualmente serem muito desatentos com os filhos com relação à sua formação como pessoa, muitas vezes levados pela rotina do dia-a-dia deixam de incentivar a criança a ter atitudes positivas, incentivando-a a ser um adulto mais seguro de si.

Parabéns pelo artigo, aguarda ansiosamente o próximo.